11 de out de 2015

Oração do Dia: 11/10

Ore por mulheres que optam pelo aborto de meninas, porque as famílias dos maridos desejam que tenham meninos. Ore pelos líderes de comunidade que trabalham para acabar com essa prática cultural.

Um comentário:

  1. Olá, aqui é a Juliana Taveira e apresento a oração de hoje. Ouça que triste essa história: “Havíamos sentado precariamente na cozinha, quando ouvimos um gemido de dor vindo do quarto ao lado. Os gritos vindos do interior do cômodo aumentaram, e subitamente, pararam. Houve um soluço baixo e, então, a voz rouca de um homem disse acusadoramente: “Traste inútil!”. De repente, para o meu absoluto horror, vi um pequenino pé ainda se movendo além da borda de um balde. A parteira havia jogado aquele pequeno bebê, ainda vivo, no balde de água suja. Tive o instinto de ir em direção ao bebê, mas dois policiais que me acompanhavam seguraram meus ombros firmemente e disseram: “Não se mova. Você não poderá salvá-la”. Em seguida, para me confortar, uma mulher mais velha continuou: “É tarde demais! Fazer isto com uma bebê menina não é grande coisa por aqui”. Eu retruquei: “Mas é apenas uma criança indefesa...” e apontava para o balde. “Não é uma criança, ela me corrigiu. É uma bebê menina, e não podemos mantê-la. Bebês meninas, não contam”. O trecho que acabei de compartilhar com você é a narração de uma das histórias presenciadas, em aldeias no interior da China por Xinran Xue, escritora chinesa que hoje mora na Inglaterra. Você consegue imaginar esta cena? Consegue imaginar tamanha crueldade? Peço que você feche seus olhos e ore comigo: “Senhor, inclina o coração dos pais para que valorizem e amem suas filhas, pois elas foram criadas pelo Senhor. Oramos pelas mulheres que matam suas filhas recém-nascidas, porque as famílias dos maridos só querem um menino. Oramos para que os líderes de comunidades se empenhem para acabar com essas práticas culturais. Reescreve estas histórias Senhor, em favor das meninas, pois em nome de Jesus, oramos”.Eu, Juliana Taveira, conto com suas orações.

    ResponderExcluir