17 de jan de 2012

Refugiados no Brasil

O Projeto Ana ora pelos refugiados no mês de janeiro.
Leia abaixo sobre o envolvimento do Brasil com os refugiados haitianos (noticias.uol.com):

O governo brasileiro vai regularizar a situação de cerca de 4.000 haitianos que entraram no Brasil fugindo da situação econômica do país, arrasado por um terremoto em 2010. Cerca de 1.600 já receberam vistos de trabalho e os demais serão regularizados nos próximos dias.

O anúncio foi feito no sábado (10) pelo ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, depois de reunião com a presidente Dilma Rousseff, o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, a ministra do Desenvolvimento Social, Tereza Campello e a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffman no Palácio do Planalto.

A regularização vai valer para os haitianos que já estão no Brasil. Na quinta-feira (12), o governo propôs ao Conselho Nacional de Imigração, vinculado ao Ministério do Trabalho, uma resolução para aumentar o controle sobre a entrada de haitianos no país. A regra vai restringir a emissão de vistos condicionados a haitianos ao máximo de cem por mês, e que só poderão ser requeridos diretamente na Embaixada do Brasil no Haiti, na capital, Porto Príncipe.

Haitianos perambulam pelas ruas de Brasileia enquanto aguardam
documentos  para poderem morar e trabalhar no Brasil

Os vistos permitirão a permanência no Brasil por cinco anos para quem vier ao país para atividade de trabalho regular. O governo também decidiu que os haitianos não poderão entrar no país na condição de refugiados políticos. O Conselho Nacional para os Refugiados (Conare), entendeu que não é caso de refúgio político e sim de vulnerabilidade econômica.

O controle das fronteiras também será reforçado, em parceria com os governos do Peru, Equador e da Bolívia. Segundo Cardozo, a ideia é atacar rotas de imigração ilegal de haitianos e coibir a ação dos chamados coiotes, aliciadores de pessoas.

No Brasil, os haitianos estão concentrados nas cidades de Brasiléia, no Acre, e de Tabatinga, no Amazonas. Os governos estaduais têm reclamado do caos social que a imigração tem provocado nas cidades. Cardozo disse que o governo federal vai dar apoio aos governos estaduais para dar assistência aos estrangeiros.

3 de jan de 2012

JANEIRO 2012: Orandopor Mulheres Refugiadas


Orando Por Mulheres Refugiadas

Na nova Casa de Apoio Ana na Europa, várias mulheres se reúnem para fazer amizade com mulheres refugiadas da Sérvia, Iraque, Irã e Ucrânia que frequentam as reuniões semanais. Algumas são assíduas e outras aparecem só para saber o que acontece nessas reuniões. Enquanto conversam sobre seus sonhos, amizade e maternidade as mulheres tomam um chá da tarde. Elas compartilham suas histórias de vida; histórias de dificuldades e de esperança que as fazem rir e chorar. Várias das mulheres dizem que se sentem aliviadas quando contam o que passaram. Deus anseia tocá-las.